• RAINBOW MOUNTAIN NO PERU: 7 VERDADES SOBRE A MONTANHA COLORIDA QUE NINGUÉM TE CONTA

A Rainbow Mountain ou Montanha Colorida é um dos pontos turísticos mais famosos no Peru. É um tour bem recente, que começou em 2016 e atrai milhares de turistas diariamente, encantados pela beleza do lugar e também pelo trekking desafiador.

Existem vários posts na internet informando como chegar, preços, indicações de agências, além das fotos de tirar o fôlego.

Mas existem algumas coisas sobre esse tour que não estão em nenhum lugar da internet. O lado B da Rainbow Mountain que ninguém que contou, eu vou dividir com vocês agora:

1 – A MONTANHA COLORIDA SÓ FOI DESCOBERTA POR CAUSA DO AQUECIMENTO GLOBAL

Você já se perguntou por que um lugar tão lindo e com um visual único só começou a ser explorado pelo turismo em 2016?

A razão é simples e muito triste. A montanha até recentemente estava coberta de neve. O aquecimento global fez com que a neve derretesse, expondo suas as cores. Nem os próprios moradores do local sabiam que por baixo de toda aquela neve a paisagem era assim.

Hoje, essa descoberta atrai uma avalanche de turistas, aumentando consideravelmente a degradação ambiental do local. Não há qualquer fiscalização ou controle. O turismo depredatório, inclusive, transformou uma área que servia de abrigo para patos migratórios em estacionamento para vans.

E pior do que isso: com a exposição ao mundo dos minérios da montanha, uma empresa de mineração canadense solicitou direitos de mineração na região.

2- O CLIMA É MUITO INSTÁVEL, NÃO SUBESTIME O FRIO E AS MUDANÇAS BRUSCAS DE TEMPERATURA

A Rainbow Mountain fica a mais de 5.000 metros de altitude. Até pouco tempo estava coberta de neve. Por isso, mesmo que a previsão do tempo estiver mostrando um dia ensolarado, com poucas nuvens e temperatura amena, vá agasalhado.

O tempo lá no alto pode mudar a qualquer momento e o que era para ser um dia de sol, pode terminar com muita chuva ou neve. Eu mesma quando fui, cheguei e o dia estava lindo. Ensolarado, sol brilhando no céu. A temperatura estava agradável. Isso durou aproximadamente 1 hora. Logo depois o tempo fechou e eu terminei meu tour debaixo de neve.

É muito comum ver pessoas tremendo de frio pela trilha, algumas até com hipotermia. Isso porque elas confiam que apenas um casaco ou um moletom é capaz de segurar o frio. Além disso, esse tipo de roupa não é impermeável e não ajuda em nada caso comece a chover (o que é bastante possível).

Então, não economize nas toucas, gorros, luvas, casacos impermeáveis e capas de chuva. Se vista em camadas. Leve blusas backup na mochila. Caso o clima for mudando você pode ir aumentando ou diminuindo a quantidade de roupas que você está vestindo. Só não se arrisque a ter uma hipotermia confiando somente na previsão do tempo ou na informação de um guia.

3- A TRILHA FICA CONSIDERAVELMENTE MENOS SEGURA QUANDO ESTÁ CHOVENDO OU NEVANDO

Como já falei acima, o clima muda constantemente e não há uma forma de prever 100% como vai ser quando você chegar lá, mesmo com previsão de sol.

Mas se puder, evite subir a montanha com clima chuvoso ou quando estiver nevando. Isso serve mesmo para os aventureiros mais experientes. Há um grande risco de acidentes.

A trilha para se chegar ao topo não é bem sinalizada e não está em tão boas condições. Quando chove ou neva, ela se transforma num grande lamaçal, muito escorregadio. Dependendo da intensidade das chuvas, pode inclusive ficar seriamente alagada. Há constantes desmoronamentos e em alguns lugares já há sinais claros de erosão.

 Somando-se a isso, existe uma superlotação com pessoas de todos os tipos, experientes e inexperientes quando o assunto é trekking. As agências de turismo enviam guias e mais guias com pessoas que, muitas vezes, nunca fizeram uma trilha na vida, a 5.200 metros de altitude, num local onde fica difícil andar quando chove.

É necessário um cuidado redobrado para caminhar e mesmo assim ainda há um risco enorme de alguém acabar caindo em algum momento.

A grande maioria das agências de turismo farão o tour independente das condições climáticas, pois elas só recebem se o tour é realizado. Elas também não estão muito interessadas em informar sobre as adversidades de se realizar os passeios na chuva ou na neve, pois acima da segurança dos turistas, o interesse é em receber seu dinheiro.

Assim, não se coloque em um risco desnecessário. Se estiver com tempo, tente agendar o passeio para os dias em que o clima esteja mais firme e o dia ensolarado.

 4- NÃO ACREDITE NAS FOTOS DE INTERNET, A MAIORIA DAS PESSOAS USA FILTRO

A Rainbow Mountain é linda, a trilha é num lugar maravilhoso, tudo lá é natureza no seu estado mais bonito. Mas é bom não criar expectativas baseadas em fotos de internet.

A grande maioria das fotos espalhadas nas redes possuem bastante saturação e tratamento para acentuar as cores da montanha. Algumas são tão alteradas que se desconectam completamente da realidade.

Foto da Montanha Super Colorida

As montanhas têm cor! Você verá isso quando for até lá. Principalmente se o céu estiver aberto e o clima estiver bom. Mas você deve manter suas expectativas realistas de que as cores são bem mais sutis do que as que aparecem na maioria das fotos postadas no Instagram. É fácil perceber as diferenças procurando pela hashtag #rainbowmontain no aplicativo.

E veja que não estou aqui julgando quem escolheu colocar filtros e realçar a beleza da montanha. Acho válido, inclusive, para deixar sua foto mais bonita no feed. A intenção aqui é mostrar a realidade do local para que quem for visitar a Montanha Vinicuña não se frustre ao chegar.

Vou deixar uma foto sem qualquer filtro ou tratamento para que vocês possam fazer uma comparação.

Foto real da Montanha sem tratamento

5- GRANDE PARTE DOS GUIAS NÃO É MUITO SOLIDÁRIA COM AS PESSOAS QUE FICAM PARA TRÁS

O tour para a Montanha Colorida tem um cronograma bem corrido. Tudo é cronometrado para ser feito no mesmo dia. Então, existe um tempo específico para subir a trilha, conhecer a montanha e se encontrar na van lá embaixo depois. E você deve se programar para fazer tudo nesse tempo, que é apertado.

Na agência de viagens, eles oferecem guias treinados que levarão oxigênio e mantas caso você precise de assistência na subida. O que realmente acontece é que os guias (em sua grande maioria, vale frisar) vão caminhando na frente com quem tem mais fôlego e quem não consegue acompanhar, fica sem qualquer assistência.

Essas pessoas que vão ficando para trás, são pressionadas a alugar um cavalo para subir (discutiremos os cavalos no próximo tópico) o mais rápido possível sob ameaças de serem deixadas ou mesmo de serem impedidas de completar o caminho até o topo por falta de tempo.

E supondo que você conseguiu chegar ao topo no prazo determinado, o tempo que os guias permitem que você fique lá em cima às vezes é risível. Você leva 1 hora ou mais caminhando em condições adversas, para ficar 15 ou 20 minutos na Montanha Colorida e logo iniciar a descida de volta.

A descida também é feita às pressas e sob ameaças de deixar os retardatários na montanha. E não pense que eles não cumprem essas ameaças. Há vários relatos de guias que partiram sem o grupo completo deixando para trás algum membro que demorou seja por que motivo for.

Então, seja cuidadoso na escolha da empresa que irá te levar. Os guias são fundamentais num passeio como esse.

6- ALUGAR OS CAVALOS PARA SUBIR OU DESCER MAIS DEGRADA QUE AJUDA A COMUNIDADE LOCAL

Estou correndo risco de entrar em uma polêmica aqui, mas não posso deixar de relatar o que vi. A comunidade local é muito carente e não se pode negar o turismo está levando dinheiro para o povoado. Mas a que custo?

Para aqueles que não conseguem ir andando ou que estão sentindo os males da altitude com mais intensidade, são oferecidos cavalos puxados por moradores locais durante todo o percurso da trilha.

Os moradores sobem e descem correndo puxando seus cavalos o mais rápido que podem para poder levar mais um turista ao topo da montanha.

Dá para perceber que essas pessoas são extremamente pobres, fazendo forças, às vezes, além de seus limites para puxar os cavalos que cansados já não querem mais subir. É um trabalho extenuante, repetido à exaustão todos os dias.

Os cavalos são magros, cansados, empacam a todo momento no meio do caminho e são puxados com agressividade pelos seus donos para continuar subindo. Vi vários cavalos parando em fontes de água para beber um pouco, mas com turistas em cima, tinham que continuar a viagem com sede mesmo. É triste demais de ver.

A culpa não é dos trabalhadores, a culpa não é dos cavalos. A culpa é nossa! Nós continuamos a incentivar esse tipo de turismo que degrada não só a natureza, mas também as pessoas. Essas pessoas estão acabando com lugar em que nasceram, estão acabando com sua saúde, acabando com seus animais para servir ao turismo.

É nosso dever procurar formas de desenvolver um turismo responsável, sustentável e engajado com a comunidade local. Não vamos explorar as pessoas, não vamos explorar os animais.

Se você acha que não consegue subir a pé, talvez seja melhor pensar num outro tour que se adeque melhor ao seu estilo de viagem.  

7- A ESTRADA PARA CHEGAR NA TRILHA NÃO É PARA AMADORES

O tour da Montanha Colorida se inicia mais ou menos às 04:00 da manhã quando te buscam no hotel. Depois disso você fica mais ou menos 3 horas numa van até chegar no vilarejo onde vai tomar o café da manhã. Até aqui, tudo tranquilo.

O caminho começa a ficar mais sinuoso e irregular no trecho entre o vilarejo e o começo da trilha. A estrada vai passando por entre as montanhas e ficando cada vez mais estreita. E só piora: ela tem de um lado a montanha e do outro lado o precipício.

É possível passar apenas um veículo por vez. E com o sobe e desce de vans intenso que acontece todos os dias, os motoristas muitas vezes tem que dirigir de ré até um ponto específico onde é possível encostar para que o outro possa passar.

Se as condições climáticas estiverem boas e a pista estiver seca, é aterrorizante, mas pelo menos a van tem aderência na estrada. Depois de chuva ou neve, a estrada vira uma lama escorregadia e você tem que confiar muito no motorista e no seu Ser Superior para dar tudo certo, porque eles continuam fazendo o percurso a toda velocidade.

ENFIM, VALE A PENA SUBIR A RAINBOW MOUNTAIN?

Depois de ler esse post, você pode pensar que minha resposta seria não. Mas a intenção aqui não é fazer você desistir de conhecer a Montanha, é mostrar pontos que a grande maioria das pessoas omite na hora de falar sobre o passeio.

Trago aqui uma visão alternativa para esse lugar, que muitas pessoas vão somente porque é um destino popular e vendido por todas as agências de Cusco.

Com todas as informações, você pode ponderar se gostaria de ir ou se acharia melhor outro tipo de passeio.

Importante lembrar também, que cada um tem a sua experiência. Se você vai preparado e com as expectativas certas, o lugar pode te surpreender muito. De qualquer forma, seja um turista responsável e tente fazer da sua experiência a melhor para você e para a comunidade local.

Obs.: Todas as minhas fotos inseridas nesse post estão sem tratamento.